quarta-feira, 25 de novembro de 2009

ABORDAGENS PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR




 No final da década de 1970, surgem novos movimentos na Educação Física escolar.
 Atualmente, coexistem na área de Educação Física várias concepções;
 Tentativa de romper com o modelo mecanicista, esportivista e tradicional.

São elas:
• Psicomotricidade;
• Desenvolvimentista;
• Construtivista;
• Crítico-superadora;
• Crítico-emancipatória;
• Saúde renovada;
• PCN’s

PSICOMOTRICIDADE
 Inicialmente divulgada em programas de escolas especiais para alunos portadores de deficiência física e mental.

 Primeiro movimento que surge em oposição aos modelos anteriores (higienista, tecnicista, esportivista, tradicional);

 O envolvimento da Educação Física é com o desenvolvimento da criança, com o ato de aprender, com os processos cognitivos, afetivos e psicomotores;

 Procura garantir a formação integral do aluno

 Valorização do conhecimento de origem psicológica.

 Autor: Jean Le Bouch (francês)

 Defende uma ação educativa que deva ocorrer a partir dos movimentos espontâneos da criança e das atitudes corporais.

 Refere-se à formação de base indispensável a toda criança;

 Dupla finalidade: assegura o desenvolvimento funcional, tendo em conta possibilidades da criança ajudar sua afetividade e expandir-se e a equilibrar-se, por meio do intercâmbio com o ambiente humano.

 Perspectiva renovadora: proposição de um modelo pedagógico fundamentado na interdependência do desenvolvimento motor, cognitivo e afetivo dos indivíduos.

 Valoriza o processo de aprendizagem e não mais a execução de um gesto técnico isolado.

 Professor se sentir com responsabilidades escolares e pedagógicas.


DESENVOLVIMENTISTA

OBJETIVO: Oferecer ao aluno condições de desenvolver seu comportamento motor através da diversidade e complexidade de movimentos.

 Dirigida para crianças de 4 a 14 anos;

 Busca nos processos de aprendizagem e desenvolvimento, uma fundamentação para a Educação Física escolar.

 Privilegia a aprendizagem do movimento embora possa estar ocorrendo outras aprendizagens em decorrência das habilidades motoras. O desenvolvimento cognitivo (alfabetização e pensamento lógico-matemático, por exemplo) pode ocorrer como sub-produto não sendo objetivo prioritário.

 O movimento é o principal meio e fim da Educação Física.

 Uma aula de Educação Física deve privilegiar a aprendizagem do movimento.

 Proporcionar ao aluno condições para que seu comportamento motor seja desenvolvido, oferecendo experiências de movimento adequadas às faixas etárias.

 Utiliza-se da classificação dos movimentos (fetais, espontâneos e reflexos, rudimentares e fundamentais, até a combinação dos movimentos fundamentais e culturalmente determinados)

 Os conteúdos devem seguir uma ordem de habilidades básicas (locomotoras, manipulativas e estabilizadoras) e as específicas (influenciadas pela cultura do esporte, do jogo, da dança e das atividades industriais).

 O professor deve observar seu aluno, no sentido de verificar em que fase eles se encontram, localizar os erros e oferecer informações relevantes para a superação dos mesmos.

Avaliação: é feita através do desempenho motor. A identificação do erro é fundamental para aquisição de habilidades de acordo com as etapas de aquisição de habilidades motoras básicas.

Crítica: pouca importância dada à influência do contexto sociocultural sobre a aquisição de habilidades motoras.


CONSTRUTIVISTA-INTERACIONISTA

Objetivo: O aluno construir seu conhecimento a partir da interação com o meio, resolvendo problemas. Construção do conhecimento a partir da interação do sujeito com o mundo.

 Se opõe ao mecanicismo.

 - O movimento é utilizado como meio para atingir domínios cognitivos.

 - Respeita as experiências vividas pelos alunos e as diferenças individuais.

 - Resgata a cultura de brincadeiras e jogos propostas pelos alunos.

 - O jogo é considerado o principal modo de ensinar, é um instrumento pedagógico, um meio de ensino.

 Aspectos dos trabalhos de Vygotsky e Jean Piaget.
Críticas principais:
 - A educação física poderia servir de base para outras disciplinas perdendo sua identidade própria;
 - Conteúdos podem não ter relação com a prática do movimento em si

Avaliação: enfatiza a auto-avaliação


CRÍTICO-SUPERADORA

Objetivo: Baseado na justiça social. Valoriza a questão da contextualização dos fatos e do resgate histórico.

 É um projeto político-pedagógico: Político porque encaminha propostas de intervenção em determinada direção. Pedagógico porque possibilita uma reflexão sobre a ação dos homens na realidade.

 Se opõe ao mecanicismo.

 Nesta concepção deve-se transmitir os conteúdos simultaneamente.

 Os mesmos conteúdos devem ser trabalhados ao longo das séries, aprofundando-se a cada ano, porém sem a visão de pré-requisitos.

Avaliação:
 Critica a avaliação por estimular uma discriminação aos interesses da classe trabalhadora. A avaliação segundo esta proposta apenas tem atendido as normas legais selecionando alunos para apresentações e competições.

Principais críticas:
 - Falta de propostas práticas.
 - Leva os objetivos da Educação física para níveis abstratos, deixando a atividade motora em terceiro plano.
 - Não interpreta o ser humano na sua individualidade e subjetividade mas sim por classes (Classe dominante x Classe trabalhadora).
 - Discurso superado.


CRÍTICO-EMANCIPATÓRIA

Objetivo: promover condições para que a estrutura autoritária dos processos institucionalizados da sociedade, que forma falsas convicções, falsos interesses e desejos, sejam suspensas e o ensino encaminhado para uma emancipação, possibilitada pelo uso da linguagem, que tem importante papel no agir comunicativo.

 Processo de ensino e aprendizagem limitado pelos condicionantes capitalistas e classistas.

 Valoriza a compreensão crítica do mundo, da sociedade e de suas relações.

 Se propõe a aumentar os graus de liberdade do raciocínio crítico e autônomo dos alunos.

 O professor confronta o aluno com a realidade de ensino, que expressa um processo de questionamento e libertação de condições limitantes e coercitivas impostas pelo sistema social.

 Contextualização dos temas compreendidos pela Cultura corporal: jogo, esporte, ginástica, dança e capoeira.
 Transcendência de limites – seqüência de ensino: encenação, problematização, ampliação e reconstrução coletiva do conhecimento.

 Representante no Brasil: Elonor Kunz.



SAÚDE RENOVADA

Objetivo: informar, mudar atitudes e promover a prática sistemática de exercícios.

 Incorporação do princípio da não-exclusão – aulas com atividades não excludentes.

 Favorecer a autonomia no gerenciamento da Aptidão Física.

Temáticas sugeridas:

Cultura corporal: reconhecer e valorizar as diferenças de desempenho, linguagem e expressão, autonomia na elaboração de atividades corporais, capacidade para discutir e modificar regras com o intuito de promoção e manutenção da saúde

Aptidão física: propiciar a elaboração de conhecimentos sobre atividade física para o bem-estar e a saúde; estimular atitudes positivas em relação aos exercícios físicos, proporcionar oportunidades para a escolha e práticas regular de atividade física.

Avaliação: testes de aptidão física, enfatizando o processo e requisitando aos alunos uma auto-avaliação


PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

Objetivos: construção crítica da cidadania, promoção do princípio da inclusão, com inserção e integração dos alunos à Cultura Corporal do Movimento. Promover os princípios de igualdade e pluralidade

 Indicam uma possibilidade de aproximação entre as abordagens já propostas.

 Proposta curricular, não obrigatória.

 Abordagem cidadã: preocupação com o pleno exercício da cidadania.

 Aspectos conceituais, procedimentais e atitudinais dos conteúdos.

Críticas: documento do ensino médio relaciona-se com uma tendência tecnicista e utilitária.

Avaliação: processo para favorecer a autonomia dos alunos de forma crítica em relação ao próprio processo de ensino e aprendizagem ao qual estão submetidos.

Considerações Finais

Costuma-se associar a escola com uma instituição onde se preparam os jovens para o mundo. Nesse sentido, caberia uma questão:

Qual o tipo de preparação que a escola oferece a esses jovens para enfrentamento do mundo?

Três possibilidades:

 Uma preparação que resolva os problemas que a sociedade apresenta no âmbito escolar, tentando impedir que tais problemas interfiram na vida escolar;

 Uma preparação que reproduza os problemas que a sociedade apresenta no âmbito escolar, tentando adaptar a vida cotidiana ao modo de organização escolar;

 Uma preparação que supere os problemas que a sociedade apresenta no âmbito escolar, tentando transformar essa mesma sociedade e os problemas por ela apresentados a partir da Educação Básica.



Referência Bibliográfica

DARIDO, Suraya; SANCHES NETO, Luiz. O Contexto da Educação Física na Escola. IN: DARIDO, Suraya; RANGEL, Irene Conceição Andrade. Educação Física na Escola: Implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2005.

Nenhum comentário: